Notícias diárias do mercado de eventos.

Jogos Olímpicos de Inverno

Jogos Olímpicos de Inverno são um evento multiesportivo realizado a cada quatro anos, reunindo modalidades de desportos de inverno disputadas no gelo e na neve, sendo um dos eventos máximos do Movimento Olímpico, ao lado dos Jogos Olímpicos de Verão.
A primeira competição de caráter mundial a reunir desportos de inverno foi a Semana Internacional de Desportos de Inverno, realizada em 1924 na cidade francesa de Chamonix. Apenas dois anos depois o Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiu dar o estatuto de Jogos Olímpicos àquela competição, que passaria a acontecer regularmente.
No princípio, os Jogos de Verão e de Inverno eram atribuídos a um mesmo país para serem realizados no mesmo ano. Foi assim até a quarta edição, na Alemanha, em 1936 (ano em que Berlim sediou os Jogos de Verão e Garmisch-Partenkirchen sediou os Jogos de Inverno). Depois de duas edições canceladas por causa da Segunda Guerra Mundial (Sapporo 1940 e Cortina d’Ampezzo 1944), os Jogos passaram a ser realizados por países diferentes, mas continuaram a acontecer no mesmo ano. Em 1986 o COI decidiu intercalar os Jogos de Verão e de Inverno, realizados sempre nos anos pares. Assim, os Jogos de Albertville 1992 foram sucedidos pelos Jogos de Lillehammer 1994.
Os Jogos de Inverno sofreram mudanças significativas desde a sua criação. A ascensão da televisão como um meio global de comunicação melhorou o perfil dos Jogos. Foi também criado um fluxo de renda, através da venda de direitos de transmissão e publicidade, que tornou-se lucrativa para o COI. Isto permitiu que interesses externos, tais como empresas de televisão e patrocinadores influenciassem os Jogos. O COI teve de responder a críticas diversas e escândalos internos, bem como a utilização de substâncias dopantes por atletas. Houve um boicote político das Olimpíadas de Inverno. Nações também têm usado os Jogos de Inverno para mostrar a pretensa superioridade de seus sistemas políticos.
Os Estados Unidos sediaram os Jogos quatro vezes, mais do que qualquer outro país. Em seguida vem a França, com três edições. No total, dez países já receberam os Jogos de Inverno. A última edição ocorreu em Vancouver (Canadá), em fevereiro de 2010. A atual edição está sendo disputada no balneário de Sóchi, na Rússia, que também é a primeira cidade subtropical a receber os Jogos Olímpicos de Inverno. A edição de 2018 está marcada para o condado de Pyeongchang, na Coreia do Sul.

Esportes

Capítulo 1, do artigo 6 da edição de 2007 da Carta Olímpica define esportes de inverno como “esportes que são praticados na neve ou no gelo.”Ao longo dos anos, o número de esportes e eventos realizados nos Jogos Olímpicos de Inverno aumentou. Houve também esportes de demonstração, que são disputados durante os Jogos, mas para os quais não são concedidas medalhas. Desde 1992, uma série de novos esportes foram adicionados ao programa olímpico. Estes incluem patinação de velocidade em pista curta, snowboard, esqui estilo livre e moguls. A adição desses eventos ampliou o apelo dos Jogos Olímpicos de Inverno para além da Europa e América do Norte. Enquanto potências europeias, como a Noruega, Alemanha e a Rússia continuam a dominar os tradicionais esportes olímpicos de inverno, países como Coreia do Sul, Austrália e Canadá se tornaram potências emergentes nos novos esportes e os Estados Unidos se equilibram entre as duas vertentes.Os resultados são mais paridade no quadro de medalhas, mais interesse nos Jogos Olímpicos de Inverno, e maior audiência da televisão mundial.

Jogos Olímpicos de Inverno de 2014

Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, oficialmente Jogos da XXII Olimpíada de Inverno, acontecem entre 6 a 23 de fevereiro e têm como sede principal Sóchi e como subsede o resort da Clareira Vermelha, localizados no krai de Krasnodar, na Rússia. Os Jogos Paralímpicos estão sendo geridos pelo mesmo comitê organizador (SOGOC).
Esta é a segunda vez que a Rússia sedia as Olimpíadas e a primeira vez que sediará os Jogos Olímpicos de Inverno. Anteriormente, o país sediou dos Jogos Olímpicos de 1980, em Moscou, enquanto ainda fazia parte da União Soviética. Sóchi é a primeira cidade subtropical a sediar os Jogos de Inverno, sendo conhecida como destino de verão por causa do seu clima moderado.
Os Jogos são realizados em dois clusters, o costeiro em Sóchi sediando os esportes de gelo e o das montanhas sediando os eventos de neve na Clareira Vermelha.
A preparação para os Jogos não envolveu apenas os locais de competição, mas também grandes obras nos sistemas de telecomunicações, potência elétrica, e transportes na área de Sóchi. Essas melhorias incluem a construção de várias arenas na costa do Mar Negro, no Vale Imeretinsky, além das infraestruturas na Clareira Vermelha, que também são novas.
Além disso, a preparação para os Jogos esteve envolvida em várias polêmicas, como o alto nível de corrupção por parte das autoridades russas, os altos níveis de poluição e os conflitos entre a comunidade LGBT e autoridades russas.
Esses são também os primeiros Jogos Olímpicos sob a presidência do alemão Thomas Bach a frente do Comitê Olímpico Internacional (COI).

Parque Olímpico de Sóchi (Cluster do Litoral)

O Parque Olímpico de Sochi está localizado as margens Mar Negro, no Vale Imeretinsky, a apenas 4 km da fronteira da Rússia com a Geórgia. Os locais serão agrupados em torno de um lago artificial, onde estão localizadas a Praça das Medalhas e a Pira Olímpica, permitindo uma curta distância para todos os locais de competição. As novas instalações incluem:16
Estádio Olímpico de Fisht (40 000 espectadores) – Cerimônias de Abertura e Encerramento, premiações;17
Domo de Gelo Bolshoi (12 000 espectadores) – Hóquei no gelo;18
Shayba Arena (7 000 espectadores) – Hóquei no gelo;19
Centro de Curling Cubo de Gelo (3 000 espectadores) – Curling;20
Palácio de Patinação Iceberg (12 000 espectadores) – Patinação artística e patinação de velocidade em pista curta;21
Arena Adler (8 000 espectadores) – Patinação de velocidade.22
A Vila Olímpica principal, além do Centro Internacional de Mídia estão localizados também no Centro Olímpico de Sóchi.

russia

Cidade de São Paulo

São Paulo é um município brasileiro, capital do estado de São Paulo e principal centro financeiro, corporativo emercantil da América do Sul. É a cidade mais populosa do Brasil, do continente americano e de todo o hemisfério sul, e a cidade brasileira mais influente no cenário global, sendo considerada a 14ª cidade mais globalizada do planeta, recebendo a classificação de cidade global alfa, por parte do Globalization and World Cities Study Group & Network (GaWC). O lema da cidade, presente em seu brasão oficial, é “Non ducor, duco“, frase latina que significa “Não sou conduzido, conduzo”.

Fundada em 1554 por padres jesuítas, a cidade é mundialmente conhecida e exerce significativa influência nacional e internacional, seja do ponto de vista cultural, econômico ou político. Conta com importantes monumentos, parques e museus, como o Memorial da América Latina, o Museu da Língua Portuguesa, o Museu do Ipiranga, o MASP, o Parque Ibirapuera, o Jardim Botânico de São Paulo e a avenida Paulista, e eventos de grande repercussão, como a Bienal Internacional de Arte, o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, São Paulo Fashion Week e a São Paulo Indy 300.

O município possui o 10º maior PIB do mundo, 14 representando, isoladamente, 11,5% de todo o PIB brasileiro e 36% de toda a produção de bens e serviços do estado de São Paulo, sendo sede de 63% das multinacionais estabelecidas no Brasil, além de ter sido responsável por 28% de toda a produção científica nacional em 2005. A cidade também é a sede da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBovespa), a segunda maior bolsa de valores do mundo em valor de mercado. São Paulo também concentra muitos dos edifícios mais altos do Brasil, como os edifícios Mirante do Vale, Itália, Altino Arantes, a Torre Norte, entre outros.

São Paulo é a sexta cidade mais populosa do planeta e sua região metropolitana, com 19 223 897 habitantes, é a quarta maior aglomeração urbana do mundo. Regiões muito próximas a São Paulo são também regiões metropolitanas do estado, como Campinas, Baixada Santista e Vale do Paraíba; outras cidades próximas compreendem aglomerações urbanas em processo de conurbação, como Sorocaba e Jundiaí. A população total dessas áreas somada à da capital – o chamado Complexo Metropolitano Expandido – ultrapassa 29 milhões de habitantes, aproximadamente 75% da população do estado inteiro. As regiões metropolitanas de Campinas e de São Paulo já formam a primeira macrometrópole do hemisfério sul, unindo 65 municípios que juntos abrigam 12% da população brasileira.

Dados Gerais

  • Fundação da cidade: 25 de janeiro de 1554
  • Localização: Região Sudeste do Brasil
  • Distância da Costa:
    – Costa dos Alcatrazes – São Sebastião – 186 km
    – Guarujá – 93 km
    – Ilhabela – 204 km
    – Santos – 72 km (8)
  • Umidade Relativa do Ar: 78% – média anua
  • Clima: Tropical Temperado
  • Temperatura média anual: 19°C
  • Extensão: 1.530 quilômetros quadrados de área.
  • Altitude: Média em torno de 760 metros.
  • Latitude: 23°32.0’S
  • Longitude: 46°37.0’W
  • População – 10.886.518 habitantes.
  • Religião Predominante: Católica
  • Moeda: Real (R$)
  • Fuso Horário: GMT (-)3 horas

GUIAS+FOLHETOS+MANUAIS+MAPAS+DIVERSOS

 

Conheça um pouco São Paulo:

Sambódromo do Anhembi

O Polo Cultural e Esportivo Grande Otelo, conhecido popularmente como Sambódromo do Anhembi, está localizado no Anhembi, no distrito de Santana, na Zona Norte da cidade de São Paulo, no Brasil. Nele, são realizados, todos os anos, os desfiles das escolas de samba do Carnaval de São Paulo.

Anhembi Parque

Anhembi Parque é um complexo cultural-comercial localizado na Avenida Olavo Fontoura, em Santana, na Zona Norte da cidade de São Paulo, no Brasil. É administrado pela São Paulo Turismo S/A, empresa pertencente ao município de São Paulo. Foi construído pela Companhia Brasileira Fichet & Schwartz Hautmont, sob gestão do eng. Raymond Faure. Seus 400 mil m² de área total sediam 30% dos eventos que acontecem no Brasil e 55% dos eventos da Região Sudeste do País. Seus espaços recebem mais de 1.000 eventos por ano, dos mais diversos gêneros e portes. Estima-se que circulam pelo Anhembi mais de 11 milhões de pessoas no período.

História

A atual denominação é sucessora da antiga “Anhembi Eventos e Turismo de São Paulo”, que, por sua vez, foi a sucessora da denominação “Centro de Convenções Anhembi”, criada por Caio de Alcântara Machado. Devido a problemas financeiros, o complexo foi encampado pela prefeitura de São Paulo.

Composição acionária

Empresa de capital aberto, tem, como sócia majoritária, a Prefeitura da Cidade de São Paulo, com 77% das ações. Os outros 23% estão nas mãos de particulares, cerca de 200 acionistas, entre os quais o seu fundador, Caio de Alcântara Machado.

Atuação

Atua para fazer de São Paulo um destino-referência em entretenimento e lazer, que vai muito além dos negócios, com destaque ao turismo e divulgação de diversos pontos turísticos da cidade de São Paulo.

Desenvolve diversos projetos, com o objetivo de fazer com que o turista que vem a São Paulo, principalmente a negócios, fique mais tempo na cidade para vivenciar a riqueza cultural daquela que é considerada o maior centro de referência da América Latina quando o tema é vanguarda, conhecimento, cultura, eventos ou saúde. É considerado o maior centro de eventos da América Latina.

O Anhembi abriga a sede da São Paulo Turismo S/A e o Hotel Holiday Inn, construído pela iniciativa privada e arrendado por 20 anos renováveis ou até o término do pagamento de sua construção.

Principais Estruturas

  • Pavilhão de Exposições
  • Auditório Elis Regina
  • Palácio das Convenções
  • Polo Cultural e Esportivo Grande Otelo
  • Arena Anhembi
  • Nova Arena Anhembi

O Pavilhão de Exposições foi aumentado em 5 mil metros quadrados em 2010, e passou a ter 76 mil metros quadrados de área útil, onde acontece grande parte das mais importantes feiras realizadas no Brasil. No Palácio das Convenções, estão disponíveis 5 halls, 4 salas e 3 auditórios de diversos tamanhos, ideais para feiras de menor porte, congressos e reuniões. Inaugurado em 1985, o Auditório Elis Regina foi totalmente reformado em 2002 e tornou-se um dos melhores espaços da cidade para receber eventos como convenções, congressos e formaturas. O Polo Cultural e Esportivo Grande Otelo, com 93 mil metros de área para eventos ao ar livre, abriga o Carnaval de São Paulo desde sua inauguração (1993).

No ano de 2004, foi criada, sob o patrocínio da marca de cerveja Skol, a Arena Skol Anhembi, um espaço para megaeventos que acomoda até 35 mil pessoas. O nome atual é Arena Anhembi. Em 2012 foi inaugurada a Nova Arena que acomoda até 24.000 pessoas. Na Arena Anhembi foram realizados diversos shows internacionais, como: Carlos Santana, Oasis, Elton John, Aerosmith, Ne-yo, RBD, Amy Winehouse, Green Day, Britney Spears, Rihanna, Demi Lovato, Big Time Rush,Miley Cyrus, Red Hot Chilli Peppers, Maroon e Keane. Entre as apresentações nacionais: Jorge Ben Jor, Maria Rita, Nando Reis, Zeca Baleiro, Roberto Carlos, Rita Lee, Fábio Júnior, Paula Fernandez, Seu Jorge, Zélia Duncan, Lulu Santos, Jota Quest, O Rappa, Restart, Paralams do Sucesso, NX Zero, Charlie Brown Jr, Maria Bethânia, Gilberto Gil, Ivete Sangalo, Thiaguinho, Luan Santana, entre outros. No dia 14 de março de 2010, o centro de eventos recebeu uma prova de corrida válida pelo campeonato IZOD Indy Car Series, ou Fórmula Indy. O vencedor foi o australiano Will Power, da Penske. Will Power venceu novamente as edições 2011 e 2012 da etapa São Paulo da Fórmula Indy, também realizadas no Anhembi.

O site Museu de Eventos do Anhembi registra a história do Anhembi Parque.

Carnaval de São Paulo

 

História

Depois do embarque do Mililique e do entrudo em terras brasileiras, a festa, que viria a se tornar o Carnaval, desenvolveu-se de forma diferente nos diversos lugares em que floresceu: na Bahia, de forma ligada aos fortes ritmos africanos; no Rio de Janeiro, já desde muito cedo organizado em sociedades, o embrião das futuras Escolas de Samba; em São Paulo, objeto do verbete, sob forte influência das populações que migravam do campo para a cidade, já no contexto da crise da economia cafeeira. Foi a população resultante do êxodo rural causado pela crise do café que desencadeou o início do Carnaval paulistano.

As comemorações carnavalescas e o próprio samba diferiam pouco do Rio de Janeiro para São Paulo, exceto por uma nítida diferença de andamento, ou seja, a grosso modo, de velocidade, de tempo da música. O sambista paulista, acostumado à árdua lida nas lavouras de café e migrando para a cidade para o trabalho operário, fazia o que Plínio Marcos denominou de “samba de trabalho, durão, puxado para o batuque”, contrastando com o lirismo e a cadência do samba carioca. Além disso, o samba paulistano era decisivamente influenciado por outros ritmos fortemente percurssivos, como o jongo-macumba, também conhecido por Caxambú. Data dessa época o início da relação entre o Carnaval e o direito: a repressão policial sofrida pelos sambistas, feita de forma dura e sem critério. Os sambistas, não só no Carnaval, mas durante todo o ano, eram vistos como vagabundos, marginais que eram duramente perseguidos pelas autoridades.

Na periferia marginalizada de uma São Paulo em construção, o som retumbante dos batuques anunciava uma cultura imigrante que mais tarde influenciaria a cultura brasileira de forma definitiva. Os negros, últimas gerações de escravos do final do século XIX, resgatavam sua identidade perdida nos navios negreiros com o som dos seus instrumentos peculiares em um samba rural e popular, improvisado em meio às lavouras cafeeiras. Não eram poetas ou compositores, mas cantavam sua vida em ritmo dançante e contagiante.

A história do samba em São Paulo é feita de alguns grandes nomes. Um deles e talvez o primeiro é Dionísio Barbosa, negro da primeira geração de escravos livres que veio para a capital em busca de oportunidades como liberto. Aqui, foi para a Barra Funda, reduto negro da cidade.

Nascido em 1891, Dionísio uniu a expressão do interior paulista com a influência do samba do Rio de Janeiro, onde conheceu a Festa da Penha e todas as tradições carnavalescas cariocas. Em 1914, reuniu sua família e foi para as ruas festejar, cantar e tocar o samba que iniciou a tradição dos cordões. Já havia na cidade eventos carnavalescos, mas eram manifestações da classe rica e branca, onde investiam todo seu apoio no desfile de Carros Alegóricos, e nas competições de Clubes. O Cordão Barra Funda era o primeiro movimento cultural organizado dos negros, o primeiro cordão da cidade, algo pequeno, composto por 15 a 20 pessoas. Este movimento foi o embrião do hoje A.C.S.E.S.M. CAMISA VERDE E BRANCO, ressurgida como escola de samba, graças a união dos sambistas do Grupo Barra Funda com os do Camisas Verdes, em 4 de setembro de 1953. (fonte Jornal USP ano XXII no.790)

A tradição carnavalesca paulistana, além do chamado “Carnaval de Rua”, consistente em bailes e brincadeiras populares pelas ruas da cidade, era centralizada na figura dos cordões, entre os quais destacavam-se justamente os Geraldinos, Mocidade do Lavapés, Ruggerone e Campos Elyseos, os maiores da cidade até então. A festa nas ruas e os desfiles de cordões ocorriam paralelamente e em harmonia, compondo o quadro cultural paulistano. Data de 1885 a primeira intervenção da Prefeitura Municipal de São Paulo no Carnaval, promovendo o primeiro desfile carnavalesco dos cordões existentes à época. Os cordões por longo tempo definiram a musicalidade da população operária paulistana, e neles é que se desenvolvia o samba paulistano.

Na década de 1930, começaram a surgir as primeiras Escolas de Samba, oriundas da Marcha-Rancho de Santana do Parnaíba, e dos desfiles das Grandes Sociedades na Avenida Paulista, e graças a influencia da Rádio Nacional que começara a transmitir os desfiles carnavalescos do Rio, nasce a E.S. Primeira de São Paulo . Os desfiles ainda eram organizados de forma mais artesanal, e como não havia ainda uma diferenciação em São Paulo, Cordões, Blocos e Escola de Samba desfilavam competindo pelo mesmo certame, o primeiro desfile de uma escola que se tem notícia foi em 1931 na Praça Patriarca no centro de São Paulo. Os desfiles já tinham caráter oficial desde 1935, eram financiados pela prefeitura de São Paulo, que oferecia local, arquibancadas, infraestrutura além de apoiar e oficializar campeonatos através da C.C.R.P, ou das Federações que ao longo dos anos comandavam as instituições carnavalescas daqui… logo então podemos dizer que o carnaval de São Paulo já era oficial desde então.

Porem graças a lacunas mal preenchidas, erros de administração, documentações perdidas infelizmente a oficialialização é feita pelo Prefeito José Vicente Faria Lima (carioca, nascido em Vila Isabel e apreciador de samba) em 1968, da Lei nº 7.100/67, destinada a regular a promoção do Carnaval pela Prefeitura Municipal de São Paulo, e regulamentada pelo Decreto nº 7.663/68. Essa lei, juntamente com a criação da Secretaria de Turismo e Fomento e as atividades por esta promovidas, encontrava-se num contexto de ampliação da atuação cultural da Municipalidade. Ainda como consequência desta política, foi idealizada no ano de 1968 e criada no ano de 1970 a Anhembi Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo S/A, (hoje chamada de SPTuris) sociedade de economia mista de capital aberto, que atualmente tem 77% de suas ações em propriedade da Prefeitura Municipal de São Paulo. A Anhembi teria, no futuro, papel de destaque nas transformações pelas quais passou o carnaval paulistano.

A edição da lei acima referida iniciou o fenômeno denominado “oficialização do Carnaval”. Embora aparentemente extremamente bem intencionada, a atuação da Prefeitura revelou-se desastrosa do ponto de vista cultural. Isso porque, embora o parágrafo único do artigo 1° da lei estipulasse vários investimentos públicos em infraestrutura para acomodar festejos em vários pontos da cidade, além de instituir verbas e premiações, na prática os recursos foram destinados unicamente a organizar o desfile das Escolas de Samba, decretando, pela falta de incentivo e recursos, o fim dos cordões e da ligação do Carnaval paulistano com suas raízes culturais.

Em 1977 o desfile foi transferido para a Avenida Tiradentes, onde eram construídas arquibancadas que comportavam (ainda que com pouca infraestrutura) trinta mil pessoas.

Em 1986, a organização das Escolas de Samba passou a ser feita nos moldes atuais, com a fundação da Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo – LigaSP, que de certa forma, substituiu aUESP sem extingui-la, uma vez que a representação das agremiações tornou-se bipartite: as Escolas do Grupo Especial e do Grupo de Acesso (respectivamente a primeira e a segunda divisão) eram representadas pela LigaSP acima aludida; e as Escolas dos grupos inferiores, bem como os blocos pela UESP, que deixou de representar todas as Escolas como fazia desde a sua fundação. Em 1990, a Prefeita Luiza Erundina sancionou a Lei nº 10.831, que, de acordo com sua emenda “socializa o Carnaval da Cidade de São Paulo, revoga a Lei n° 7.100/67, e dá outras providências”. Esta lei acomete à Prefeitura, por meio do artigo 3°C/c artigo 2°, II, a responsabilidade de organizar o Carnaval, por meio da Anhembi S/A. A lei também reconhece e institucionaliza a representação das Escolas de Samba por meio de entidades associativas, que, desde 1986, funcionava da maneira acima descrita.

A lei n° 10.831/90 desencadeou a última mudança de endereço dos desfiles de Carnaval, que se deu em 1991, quando passaram a ser realizados no Polo Cultural Grande Otelo, uma grande passarela de mais de quinhentos metros construída na Avenida Olavo Fontoura, e popularmente conhecido por Sambódromo do Anhembi. Este local, de propriedade da Anhembi S/A, sedia os desfiles desde então, e nele ainda são realizados diversos eventos das mais variadas naturezas.

Temos, dessa forma, que a atuação administrativa da Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio de leis e decretos, e de seu órgão de administração indireta, interagindo com fatores históricos, sociológicos e antropológicos, determinou a forma atual do Carnaval paulistano, inclusive determinando o abandono de suas raízes culturais e musicais.

A partir de 2006 passou a vigorar dois títulos no Carnaval paulistano. O primeiro e mais importante título é o do Grupo Especial das Escolas de Samba, o outro título, passou a ser disputado apenas pelas escolas ligadas a torcidas organizadas de clubes de futebol, casos da Mancha Verde (ligada ao Palmeiras) e Gaviões da Fiel (ligada ao Corinthians), nascia assim o Grupo Especial das Escolas de Samba Desportivas. A intenção em 2006 era realizar apenas esse Grupo de Escolas Desportivas quando houvesse duas ou mais agremiações ligadas a clubes disputando o Grupo Especial do Carnaval, mas em 2007, mesmo com a presença apenas da Mancha Verde no Grupo Especial, o título foi mantido, dando o bicampeonato a torcida do Palmeiras, que levara o primeiro título desse novo grupo em 2006. Em 2008 o Grupo Especial das Escolas de Samba Desportivas deixou de existir, fazendo com que Gaviões da Fiel e Mancha Verde voltassem a disputar com as outras escolas o título do Grupo Especial no carnaval de 2008.

E depois de vários anos, sem sair do papel o Carnaval de São Paulo ganhará com previsão de término em 2016, a Fábricas de Sonhos nos mesmos moldes da Cidade do Samba, no carnaval carioca. que reunirá os barracões das principais escolas de samba do carnaval.

O carnaval é muito importante, para todos os brasileiros e até para os turistas de outros países, o carnaval é a imaginação, sonho, amor e muita alegria para todos.

Vídeo que apresenta a história do carnaval no Brasil: Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco e Bahia.

<iframe width=”400″ height=”300″ src=”//www.youtube.com/embed/-tVSuVqxlFE?rel=0″ frameborder=”0″ allowfullscreen></iframe>

Caio de Alcântara Machado

Caio de Alcântara Machado (São Paulo, 30 de abril de 1926 — 20 de agosto de 2003) foi um publicitário brasileiro e criador das feiras industriais de negócios.

Formado na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, ajudava o seu pai nas Lojas Assunção, que vendia rádios e vitrolas. Fazia o programa Parada de Sucessos na rádio Excelsior (CBN). Quando se desligou dos negócios da família em 1956, fundou a primeira agência de publicidade, de capital totalmente brasileiro; a Alcântara Machado Publicidade, atual AlmapBBDO. Em viagem a Nova York, Caio ouviu falar, pela primeira vez, em feira industrial. Por sugestão de seu amigo Charles Snitow, empresário norte-americano, resolve levá-las para o Brasil.

Em 1958, é inaugurada pelo Presidente da República Juscelino Kubitschek, a I Feira Nacional da Indústria Têxtil (Fenit), no Pavilhão Internacional, do parque do Ibirapuera, em São Paulo.

A partir de 1960 a Fenit fez grande sucesso, com o seu nome associado à Rhodia – (divisão têxtil), trazendo os fios sintéticos e seus tecidos, sendo apresentados com desfiles de modas e shows de música, onde foi revelada a modelo e atriz Mila Moreira. Vieram outras feiras industriais de negócios como as feiras da Mecânica, de Utilidades Domésticas – UD -, o Salão Anhembi e o Salão da Criança.

Foi um dos sócios de Octavio Frias no semanário Folha de S.Paulo até 1961. Em 1968 é empossado presidente do Instituto Brasileiro do Café – (IBC). Machado acreditava que o café brasileiro voltaria a ser uma grande cultura no Brasil.

O Pavilhão Internacional começou a ficar pequeno para as feiras. Foi escolhido um terreno às margens do rio Tietê, que teria no futuro estações do metrô e rodoviária próximas, aeroportos de Cumbica e Congonhas próximos também. Foi feito um projeto contendo dois pavilhões de exposições, Palácio das Convenções, hotel da marca Holiday Inn (para atender ao turismo de negócios). As obras foram paradas em 1972. Só ficando o Palácio das Convenções pronto. Este complexo de construções se chamaria Centro Interamericano de Feiras e Salões, mais conhecido como Parque Anhembi, hoje. No mesmo ano, aconteceu a feira Brasil Export, voltada para o comércio exterior.

A agência de publicidade não foi vendida em 1997 a Alcantara Machado feiras de negócios Ltda como previsto, mas para um grupo interno de diretores tendo como maior acionista Jose Rafael Guagliardi. Caio foi homenageado pela escola de samba Sociedade Rosas de Ouro, com o samba-enredo Quem plantou o palco, hoje é o espetáculo, no carnaval de 2001.

Caio enfrentou muitas dificuldades até atingir seus objetivos. Seus trabalhos, sempre reconhecidos, foram premiados diversas vezes, incluindo o prêmio Homem de Marketing do Ano, que arrematou seis vezes, e a Legião de Honra da França.

As feiras industriais de negócios tiveram grande influência na internacionalização da economia, com o fortalecimento e a modernização da indústria brasileira.

“Vai dar jacaré” era uma frase muito usada por Caio e a lembrança do animal passou a ser associada naturalmente a sua pessoa pelos profissionais do setor. Através dos tempos, dezenas, centenas de quadros e alegorias de jacarés foram se espalhando por seu escritório, presenteadas por seus amigos e admiradores.

Depoimento de Caio de Alcantara Machado, sobre o Prêmio Caio, concedido ao jornalista Cacá Góes, do programa Feiras & Negócios.

 

Agenda do Carnaval em Todos os Cantos de São Paulo -SP

21 DE FEVEREIRO, SEXTA-FEIRA

  • 16h – Banda Bantantã (bloco ao melhor estilo dos carnavais de antigamente)
    Local: Av. Waldemar Ferreira com Desembargador Armando Fairbanks, Butantã

22 DE FEVEREIRO DE 2014, SÁBADO   

  • 10h – Bangalafumenga (Bloco com músicas regionais, MPB, sambas e cirandas)
    Local: Ruas da Vila Madalena.
  • 11h – Bloco Barracão Folia
    Local: Rua Diana, 100 – Pompeia
  • 11h – Bloco do Ó
    Local: R. Horácio Lane, 21
  • 12h – Bloco Classe A
    Local: Rua Souza Lima, 295 – Barra Funda
  • 13h – Tarado Ni Você (Bloco com música do Caetano Veloso)
    Local:  Avenida Ipiranga com Avenida São João
  • 13h30 – Bloco Sargento Pimenta (Bloco carioca que mistura ritmos percussivos e músicas dos Beatles)
    Local:  Avenida Paulo VI
  • 14h – Banda Gueri-Gueri (Após longa pausa, tradicional banda do carnaval paulistano anuncia seu retorno)
    Local: Praça Estilac Leal (Monumento Às Bandeiras)
  • 14h – Bloco Nu’Interessa (bloco proposta de resgatar a tradição do saudoso carnaval de São Paulo
    Local: Rua Filinto de Almeida, atrás do Fórum de Pinheiros – Vila Madalena
  • 14h – Bloco da Ressaca
    Local: Largo do Cambuci, s/nº – Cambuci
  • 14h – Moocarnaval (Primeiro Carnaval de Rua da Mooca)
    Local: Rua Taquari, 549
  • 17h – Kolombolo (Bloco que homenageia e valoriza a velha guarda do samba e os costumes dos antigos carnavais de São Paulo)
    Local: Ruas da Vila Madalena.
  • 14h – Pimentas do Reino
    Local: Rua Girassol, s/número
  • 14h30 – Bloco Esquenta do Partido Alto 
    Local: Pholia da Luz – Estação da Luz
  • 15h15 – Bloco Unidos do Abaeté
    Local: Pholia da Luz  – Estação da Luz
  • 16h15 – Bloco Med Pholia
    Local: Pholia da Luz- Estação da Luz
  • 17h15 – Bloco A Bruxa Tá Solta
    Local: Pholia da Luz – Estação da Luz
  • 18h15 – Bloco Império do Morro
    Local: Pholia da Luz – Estação da Luz
  • 19h15 – Escola de Samba Quilombo
    Local: Pholia da Luz – Estação da Luz
  • 20h15 – Bloco Fuzuê
    Local: Pholia da Luz – Estação da Luz

23 DE FEVEREIRO DE 2014, DOMINGO

24 DE FEVEREIRO – SEGUNDA-FEIRA

  • 19h – Banda Redonda
    Local: Teatro de Arena – Rua Theodoro Baima, 94 – Consolação

25 DE FEVEREIRO – TERÇA-FEIRA

  • 16h – Bloco Umes Caras Pintadas
    Local: Praça Dom Orioni, s/nº – Bela Vista

26 DE FEVEREIRO – QUARTA-FEIRA

  • 17h – Banda do Candinho
    Local: Rua Santo Antônio com a Rua Treze de Maio, s/nº – Bixiga

28 DE FEVEREIRO – SEXTA-FEIRA

  • 19h – Banda do Trem Elétrico
    Local: Rua Augusta com a Rua Luiz Coelho, s/nº – Consolação
  • 19h30 – Ilu Obá de Min
    Local: embaixo do Viaduto do Chá – Centro
  • 22h – Bloco do Sargento Pimenta (Bloco carioca que mistura ritmos percussivos e músicas dos Beatles)
    Local: Cine Joia, Praça Carlos Gomes, 82 – Liberdade.

1º DE MARÇO – SÁBADO

  • Bloco Bastardo
  • 13h – João Capota na Alves 
    Local: Viaduto Metro Sumaré, s/número
  • 13h – Jegue Elétrico
    Local: Rua Lisboa, s/n° – Pinheiros

2 DE MARÇO – DOMINGO

  • Bloco Bastardo
  • 13h – Jegue Elétrico
    Local: Rua Lisboa, s/n° – Pinheiros
  • 15h – Bloco Fluvial do Peixe Seco (Bloco passa pelas ruas por onde correm os rios Saracura e Anhangabaú)
    Local:
     Praça 14 Bis, s/nº – Bela Vista

3 DE MARÇO – SEGUNDA-FEIRA

  • Bloco Bastardo
  • 10h – Bloco Esfarrapado
    Local:  Rua Conselheiro Carrão, 466 – Bixiga
  • 13h – Jegue Elétrico
    Local: Praça Roosevelt, s/n° – Consolação

4 DE MARÇO – TERÇA-FEIRA

  • Bloco Bastardo
  • 15h – Bloco do Ó
    Local: R. Horácio Lane, 21

 

Fonte:http://www.guiadasemana.com.br/turismo/noticia/carnaval-de-rua-em-sao-paulo-2014

,

Feicon Batimat – 18 – 22 Março | 2014

Chegando à sua 20ª edição, a Feicon Batimat é o principal Salão da Construção da América Latina. O evento mais completo do setor apresenta a cada ano, inovações e tendências proporcionando um encontro para ótimos negócios, networking com grandes profissionais e marcas do setor da construção civil e principalmente a disseminação de novos produtos e serviços.

Surpreenda-se conferindo em primeira mão a apresentação dos grandes líderes do segmento em uma exclusiva exposição de produtos e serviços para todos os setores do ramo.

Além disso, a feira conta com a conferência Núcleo de Conteúdo Feicon Batimat, que possui 4 dias de palestras e debates, trazendo fortes tendências do mercado e renomados profissionais nacionais e internacionais.

Data: 18 – 22 Março | 2014
Horários: terça a sexta das 11h às 20h – sábado das 9h às 17h
Pavilhão de Exposições do Anhembi – São Paulo – SP – Brasil

Perspectivas surpreendentes indicam as proporções deste evento:

• Exposição de mais de 1.000 marcas nacionais e internacionais
• Presença de 130 mil visitantes/compradores qualificados
• Área de exposição de 85 mil m²
• 5 opções de programa de conferência, totalizando mais de 50 palestras

Entrevista com Dilson Ferreira, Presidente da Abrafati

,

Grande Baile de Máscaras no Vivo Rio

A 3° edição do Grande Baile de Máscaras, considerado o maior baile de máscaras do Brasil que reúne cerca de 4.000 pessoas e resgata a magia dos carnavais mascarados, acontece no sábado, 1 de março, no Vivo Rio.

Este ano a festa faz homenagem a Jorge Ben Jor e conta com o Samba de Santa Clara, a Bateria da Mangueira, a Banda de Marchinhas, o Original Favela LIVE AV Show e os DJs Gigga e Bernardo Malta.

O evento tem início às 22h e o preço do ingresso custa a partir de R$ 60. Cada ingresso dá direito a uma máscara, que será entregue nos dias 27 e 28 de fevereiro e 1 de março no Vivo Rio.

,

Feira Bijoias

A Bijoias, que está na sua 64ª edição, é o maior evento do segmento de bijuterias, acessórios, joias de prata, de aço, folheados e semijoias do Brasil.

SERVIÇO
Local: Centro de Convenções Frei Caneca
Endereço: Rua Frei Caneca, 569 – Cerqueira César
Horário: 18/02 das 8h às 20h 19/02 das 10h às 20h 20/02 das 10h às 16h
Promotor: B8 Eventos
Site oficial