Seu Evento Dentro da LEI

Lei nº 11.711 – Política Nacional de Turismo

A Política Nacional de Turismo é regida por um conjunto de normas voltadas para o planejamento ordenado do setor e estabelecimento de estratégias. A lei regulamenta os objetivos de eventos diversos, estimulando que apenas empresas caracterizadas como Organizadoras de Eventos podem exercer atividades no setor. A Lei nº 11.711 estabelece a organização de eventos como uma atividade econômica com fins lucrativos.

Art nº5. V – propiciar o suporte a programas estratégicos de captação e apoio à realização de feiras e exposições de negócios, viagens de incentivo, congressos e eventos nacionais e internacionais;

Lei nº 8.616 – Licenciamento de eventos

A realização de eventos em áreas públicas e privadas, além de estabelecimentos fechados, requer que os produtores entrem em contato com a prefeitura da cidade onde o evento ocorrerá. Em geral, o licenciamento respeita algumas leis específicas, como a Lei nº 8.616, por exemplo.

De acordo com o artigo 160 da Lei nº 8.616, eventos só podem acontecer em lugares públicos caso os produtores demonstrem que os eventos atenderão ao interesse público, seja o evento de caráter recreativo, social, cultural, religioso ou esportivo. Essa lei também inclui outras exigências, como o respeito das regras de segurança pública e de proteção ao ambiente se o evento tiver espetáculo pirotécnico, cuja aprovação depende de licenciamento e comunicação prévia ao Corpo de Bombeiros da cidade em questão.

Lei nº 6.533 – Regulamentação das Profissões de Artistas e de Técnico em Espetáculos de Diversões

Esta lei é muito importante para o conhecimento do Organizador de Evento, pois, ela dispõe sobre a contratação de artistas e técnicos em espetáculos de diversões, pessoas que oferecem serviços voltados para shows, espetáculos e outros devem estar registrados no Ministério do Trabalho.

A Lei nº 6.533 ainda intervém sobre o contrato de trabalho do prestador de serviço e a empresa contratante:

Art nº 10 – O contrato de trabalho conterá, obrigatoriamente:

I – qualificação das partes contratantes;
II – prazo de vigência;
III – natureza da função profissional, com definição das obrigações respectivas;
IV – título do programa, espetáculo ou produção, ainda que provisório, com indicação do personagem nos casos de contrato por tempo determinado;
V – locais onde atuará o contratado, inclusive os opcionais;
VI – jornada de trabalho, com especificação do horário e intervalo de repouso;
VII – remuneração e sua forma de pagamento.

Lei 8.616 – Evento em Local Público

Para organizar um evento em local público é necessário ao Organizador de Eventos entrar em contato com a prefeitura do local onde será realizado o evento, a Lei 8.616 dispõe em seu artigo 160 algumas recomendações para realização de eventos em locais públicos:

Art. 160 – Poderá ser realizado evento em logradouro público, desde que atenda ao interesse público, devidamente demonstrado no processo de licenciamento respectivo.

Parágrafo Único – Considera-se evento, para os fins deste Código, qualquer realização, sem caráter de permanência, de atividade recreativa, social, cultural, religiosa ou esportiva.

A Lei 8.616 ainda rege sobre a manutenção do meio ambiente, respeito aos pedestres e segurança do público, em casos de espetáculos pirotécnicos é necessária a aprovação do Corpo de Bombeiros.

Lei do Direito Autoral

Você conhece a sigla ECAD? Trata-se do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição, que fiscaliza a Lei do Direito Autoral, segundo a qual o uso de música em eventos necessita um pedido de autorização prévia à instituição que arrecada e distribui os valores correspondentes aos direitos autorais dos artistas cujas músicas são executadas publicamente.

O ECAD calcula o valor do direito autoral levando em conta critérios e parâmetros criados por sua Assembleia Geral, composta pelas associações efetivas integrantes. Os critérios estão presentes no Regulamento de Arrecadação e na Tabela de Preços do órgão regulador. Os valores oscilam conforme a atividade dos usuários, a forma como as músicas são aplicadas (ao vivo ou por meio de gravação), a região socioeconômica e a área sonorizada.

O cálculo do valor que será atribuído em cada caso é feito após contato com a unidade de representação do ECAD mais perto da região onde o negócio fica. No site da instituição, é possível tirar dúvidas a respeito do pagamento dos direitos autorais e ainda simular o cálculo a partir de alguns dados.

Como é feita a arrecadação.

Lei nº 10.098 – Acesso dos Deficientes Físicos

Esta lei manifesta o direito dos deficientes físicos ou portadores de alguma dificuldade de se movimentar a participarem de qualquer evento artístico de forma tranquila, com praticidade e segurança. A lei dispõe sobre o ambiente do evento, de modo que um deficiente físico possa se locomover sem barreiras ou obstáculos no espaço do evento, esta é uma ação muito importante para o Organizador de Eventos se atentar para garantir um evento acessível para todos os participantes.

ANVISA

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, ou simplesmente Vigilância Santiária é um órgão vinculado ao Ministério da Saúde, responsável pelo controle sanitário de medicamentos, alimentos, cosméticos, produtos médicos, entre outros relacionados a saúde. Seu objetivo é promover a defesa da saúde.

Seguir as recomendações da ANVISA é muito importante para não ter problemas com o público ou com a imprensa.

Os principais fatores relacionados a ANVISA para seguir em eventos são os alimentos, saúde da equipe, controle de zoonoses e serviços e/ou produtos que de alguma forma estejam ligados a saúde do publico.

Lei 8.080 – Fique Atento à Saúde e a Higiene

Cada cidade possui uma normalização sobre as ações e serviços de saúde e higiene, de acordo com a Lei 8.080 de 1990. Mas o básico sobre a higiene e saúde vale para todos os eventos seja qual for a cidade. É preciso estar atento principalmente quanto a infraestrutura do evento, contando com o espaço reservado para entrada e saída de ambulância. Além de contar com um posto médico com profissionais suficientes para atender os participantes.

O posto médico deve possuir os profissionais fundamentais para um atendimento de emergência e urgência, caso haja imprevistos com os participantes. Além de profissionais da saúde, o evento deve estar com condições de higiene em todo o ambiente do posto médico e, em todos os ambientes do evento.

Cuidado com os Alimentos

Caso o evento for oferecer ou comercializar alimentos, o organizador deve atenção com o controle sanitário. A comida deve ser preparada somente por cozinheiros habilitados e se não for feita no local do evento, deve ser transportada com cuidados redobrados, evitando risco de algum tipo de contaminação.

A ANVISA recomenda que os alimentos sejam conservados em embalagens especiais. Toda a cozinha ou local de comercialização deve estar limpo e higienizado. Para os alimentos percíveis, aqueles prontos para consumo, deve haver local próprio para conservação com temperatura e umidade adequada.

Miss Teen Brasil 2017

O concurso Miss Teen Brasil é um concurso de beleza nacional para garotas entre 14 e 17 anos de idade.
Criado em 2008, o objetivo do evento é selecionar a representante do Brasil para os concursos internacionais Miss Teenager Universal, Miss Teenager International e Miss Teen Americas.
A organização e realização do evento é da Teen Brasil Eventos, Gerson Antonelli e TP Eventos.

Regulamento

Para participar a candidata deverá preencher os seguintes requisitos:

 ter entre 14 e 17 anos de idade,
 ser solteira, nunca casada e sem filhos,
 estar matriculada em uma escola pública ou particular,
 ter altura mínima de 1,60 m,
 pagar taxa de inscrição.

As interessadas deverão participar de uma seletiva ou concurso estadual tendo a vencedora o direito de representar o estado no concurso nacional.

Para os estados sem coordenação a Diretoria Nacional se reserva o direito de indicar representantes residentes ou não na região geográfica em referência.

Evento Final

As representantes dos estados e Distrito Federal participam de diversas provas classificatórias em traje de praia e entrevista pessoal durante a semana do concurso.

As 12 candidatas com o maior total de notas se tornam as semifinalistas, as quais são anunciadas na noite da final.

As 12 semifinalistas participam de provas em traje de praia e vestido de gala na noite da final quando os jurados selecionam 3 finalistas.

As 6 finalistas participam de uma entrevista ao vivo no palco e de um desfile de avaliação final pelo painel de jurados que selecionam a vencedora, primeiro e segundo lugares.

Grande Final

No dia 14 de outubro será exibido AO VIVO na Rede Brasil de Televisão a final do Miss Teen Brasil.

A Rede Brasil de televisão aberta, tem o objetivo de oferecer a melhor qualidade de programação, alcança 95% do território brasileiro, cobrindo 26 capitais, o distrito federal e mais de 500 cidades, atendendo a mais de 20 milhões lares.

Venha fazer parte deste Grande Projeto.

Plano Comercial

MISS TEEN Brasil 2017 from TP Eventos on Vimeo.

Miss Teen Brasil 2016

Miss Teen Brasil 2016 from Miss Teen Brasil on Vimeo.

5 Dicas para Criar um Spot de Sucesso

O que é um Spot de Rádio?

Spot de rádio é uma peça sonora onde se usa a interpretação humana (um ou mais locutores) e elementos sonoros (músicas, efeitos especiais), para a construção de uma peça sonora pensada para o veículo do rádio.

O spot de rádio é exibido dentro da estrutura da uma rádio, durante os intervalos comerciais (o famoso break comercial) e intervalos de programas especiais.

A principal função do spot de rádio é o de fixar no ouvinte a mensagem ou anúncio gravado. Nele podem existir elementos promocionais (sorteio de ingressos), institucionais (horário de programas da própria emissora), comemorativos (aniversariantes do mês), entre tantas outras utilidades.

Tempos e formatos do spot de rádio

O formato de tempo de um spot de rádio costuma ser de 15, 30, 45 ou 60 segundos. Este padrão de tempo vem perdendo espaço nas rádios online, já que neste meio não existem limites e a emissora tem mais liberdade para quebrar os padrões estabelecidos pela radiodifusão.

1. Bom roteiro + boa produção

Não adianta ter um bom texto se não houver uma boa produção. E não adianta ter uma super produção sem um bom texto. Uma coisa completa a outra e cada um tem um papel importantíssimo.

Nessa hora, é importante ter em mente qual mensagem se quer passar e que tipo de público se quer atingir. Muitas vezes, um roteiro com uma idéia legal, porém, cheio de “curvas” até chegar na mensagem final, pode ser um tiro no pé.

2. Não exagere nos efeitos

Não é a quantidade de efeitos que você coloca no spot que o faz ser um sucesso. Aliás, o excesso de efeitos pode prejudicar a mensagem que você pretende passar.

O trabalho da “Psicoacústica” é essencial para entender que, muitas vezes, menos é mais. Vivemos dias de grande poluição “sonora” e o silêncio poder ser uma ferramenta importantíssima na construção da peça.

Imagine um bloco comercial, com spots carregados, locuções quase gritadas, com toneladas de efeitos e o seu tímpano pedindo socorro… Aí, entra um comercial leve, com os primeiros 2 segundos de silêncio – seu cérebro de imediato interpreta algo diferente – a partir dos 2 segundos iniciais, entram trilha e locução leves – seus ouvidos agradecem…e seu cérebro consegue captar a mensagem mais facilmente.

Geralmente spots carregados de efeitos são usados no varejo, com locução grave, imponente, com efeitos de explosões etc., como em lojas de eletro.

Analise o que realmente agrega à produção. Evite o restante!

3. Escolha de voz

Feminina, masculina, infantil, diálogo… há infinitas possibilidades para narração. Antes de enviar para a produtora, faça testes (com a sua equipe mesmo) de quais vozes se encaixam e passam melhor o texto.

Uma das formas de interpretação que é tendência nos dias do hoje é a “coloquial. Nesse caso, o texto é interpretado como se o locutor estivesse conversando com o ouvinte e não simplesmente lendo o texto.

4. Escolha de trilha

A narração ganha mais vida quando é acompanhada de uma boa trilha. Na escolha do melhor acompanhamento, vale uma conversa com a produtora.

Com o texto em mãos, juntos, vocês podem decidir se o que a trilha deve incitar no ouvinte, correlacionando-a ao roteiro. É preciso também ter cuidado com os direitos autorais.

Prós e contras do banco de trilhas

Afinal, esse é um “detalhe” que não pode passar despercebido. Existem, sim, bancos de trilhas gratuitas. Por outro lado, elas já foram muito utilizadas e o risco pode ser grande de você utilizar a mesma trilha, nas mesma mídia e no mesmo espaço que um concorrente seu está usando.

5. O papel do roteiro

Antes de mais nada, é preciso muita atenção ao desenvolver o roteiro. É ele que vai nortear todo o processo para os envolvidos e, como é um trabalho feito a muitas mãos, quanto mais específico e claro ele for, melhor.

Copyright © TP Eventos 2014 - Desenvolvido por Aletp Digital
Pular para a barra de ferramentas